quarta-feira, 7 de junho de 2017

Força Aérea Brasileira já passou uma madrugada caçando OVNI


A FAB (Força Aérea Brasileira) passou uma madrugada inteira tentando encontrar um OVNI, mas foi driblada pela suposta nave de tecnologia e velocidade muito superiores aos equipamentos humanos. O relato, documentado e assinado pelo Comando da Força Aérea, está no livro “Extraterrestres”, do escritor Salvador Nogueira.
A história ocorreu em 19 de maio de 1986. Por volta das 23h15, a torre de controle de São José dos Campos, no interior de São Paulo, informou que havia luzes laranjas, amarelas e verdes sobrevoando a cidade. Simultaneamente, o radar de solo registrou sinais de movimentação.
De acordo com o livro de Nogueira, o primeiro a avistar as luzes do alto foi o coronel Ozires Silva. Segundo ele, a noite de 19 de maio de 1986 estava estrelada, o que significa boa visibilidade. “Entre as estrelas eu vi um clarão, um objeto ovalado. Parecia um astro. A diferença é que astro não aparece no radar (…) Voei na direção dele. E, enquanto me aproximava, ele começou a desaparecer”.
Daí em diante, uma série de fatos inacredítaveis foram registrados pelos radares e monitores da Força Aérea. Uma aeronave de defesa que partiu do Rio de Janeiro ao encontro do objeto não-identificado e o piloto avistou uma luz branca abaixo de seu nível de voo. O ponto subiu e ficou a 10 graus acima da aeronave.
A perseguição evoluiu e o piloto relatou que a luz passou de branca para vermelha, verde e depois voltou a ser branca. Sem conseguir avistar nada mais do que o ponto de luz, a aeronave retornou para a base, já que o nível de combustível estava crítico.

SEGUNDA BUSCA

Cerca de duas horas e meia depois, outro objeto não-identificado apareceu no radar. Este voava por Anápolis, cidade de Goiás, e os dados do radar eram precisos: apontavam velocidade e direção do deslocamento. Mas, ao enviar um caça da base de Anápolis para fazer o reconhecimento, novamente a frustração.
O objeto voava mais rápido e com mais agilidade para mudar de rota do que a aeronave tripulada pelos brasileiros. O OVNI se deixava aproximar, depois acelerava até sumir do radar. Enquanto isso, o piloto fazia o possível para ter contato visual. No fim, retornou para base sem sucesso.
Mesmo com o fracasso nas duas primeiras tentativas, a caçada não se encerrou. No Rio de Janeiro, o comando enviava uma nave atrás da outra. Enquanto uma voltava para a base sem combustível, outra era preparada para decolar. Nada, além de luzes e fortes sinais nos radares, foi obtido.
Ao fim das tentativas, o Comando deu um relato contundente e preciso à missão. “Como conclusão dos fatos constantes observados, em quase todas as apresentações, este Comando é de parecer que os fenômenos são sólidos e refletem de certa forma inteligências, pela capacidade de acompanhar e manter distância dos observadores como também voar em formação, não forçosamente tripulados.”

O livro “Extraterrestres” está a venda em livrarias e lojas on-line.

Fonte: Yahoo Notícias